Skip To The Main Content

Cadeia de suprimentos responde ao furacão Harvey

ASCM CEO

Friday September 1, 2017


Na semana passada, as notícias meteorológicas dos EUA e as notícias da cadeia de suprimentos se concentraram no furacão Harvey, uma tempestade de categoria 4 que atingiu o sudeste do Texas na noite da última sexta-feira. A tempestade parou sobre a área de Houston por cinco dias consecutivos e despejou mais de 127 centímetros de chuva antes de mover-se para o leste, em direção à Luisiana na quarta-feira, relatou o The Wall Street Journal

Como resultado da tempestade, que é tida como a maior tempestade tropical a atingir a área continental dos Estados Unidos, cerca de 30.000 pessoas foram forçadas a sair de suas casas devido a inundações, e mais de 725.000 pessoas foram submetidas a uma ordem de evacuação obrigatória. 

Além disso, as cadeias de infraestrutura e suprimento locais sofreram um golpe, que provocou efeito cascata por todo o país. Muitas ruas e estradas foram inundadas e pelo menos uma ponte desabou. A Union Pacific, a Kansas City Southern e a BNSF Railway suspenderam seus serviços ferroviários nas áreas afetadas, de acordo com The Loadstar. Da mesma forma, a DHL Express suspendeu suas operações de coleta e entrega da semana na área e a FedEx informou aos clientes que eram esperados atrasos no Texas e Luisiana. Aeroportos e portos marítimos também fecharam, deixando passageiros e cargas encalhados até que a tempestade passasse. 

Como a região da Costa do Golfo dos Estados Unidos é um importante centro de petróleo e gás, a nação agora está enfrentando falta de combustível por causa do furacão Harvey. Mais de 15% da capacidade de refinaria dos EUA foi fechada por causa da tempestade e as estações de carga e bombeamento de combustível em Houston, Pasadena e Cedar Bayou, no Texas, foram interrompidas, relatou o The Wall Street Journal. Na verdade, a maior refinaria do país, localizada em Port Arthur, no Texas, reduziu a produção em 40% na terça-feira devido a inundações na planta, e também fechou portos e gasodutos. Como resultado, o site GasBudddy.com prevê que o preço médio da gasolina em todo o país em breve atingirá o nível mais alto em dois anos. 

A região da Costa do Golfo também abriga uma grande parte da indústria petroquímica dos EUA. Na verdade, este artigo do jornal The New York Times observa que quase metade das exportações de Houston são resinas, plásticos, produtos químicos e minerais. Com muitas fábricas interrompidas, o aumento dos preços das matérias-primas de plásticos poderia elevar os preços dos brinquedos, sacos de lixo e tubos de PVC em todo o país. 

Embora ainda seja cedo demais para quantificar com precisão os danos, o Accuweather estima que os custos da tempestade podem chegar a US$ 190 bilhões - incluindo danos à propriedade e perdas por interrupções de negócios - tornando o furacão Harvey um dos desastres naturais mais onerosos da história dos EUA. Certamente, o Texas tem meses, e até mesmo anos de reconstrução à frente. 

Ajuda de todo o lado

Apesar dos efeitos devastadores deste desastre, os residentes, as comunidades e as empresas locais mostraram que são resistentes e que têm planos de gerenciamento de riscos e a comunidade global mostrou que está preparada para ajudar em momentos de necessidade. As notícias dos EUA e internacionais estão repletas de histórias sobre os vizinhos que ajudam vizinhos, comunidades próximas que recebem refugiados de tempestades e empresas que fazem o que podem para prestar apoio às vítimas da tempestade.

Por exemplo, a Anheuser-Busch e a MillerCoors estão doando latas de água para vítimas de tempestades por meio de um distribuidor e de uma cervejaria, respectivamente, no Texas, de acordo com a NBC 5 Chicago. Mockler Beverage, uma distribuidora da Anheuser-Busch em Baton Rouge, Luisiana , também trabalhará com a Cruz Vermelha Americana para distribuir água na Luisiana.

Como já fazemos há muitos anos, a APICS está firmando parceria com a American Logistics Aid Network (ALAN) para oferecer suporte à cadeia de suprimentos e logística às comunidades afetadas. A ALAN foi fundada por um grupo de profissionais e associações comerciais após o furacão Katrina e hoje é apoiada por centenas de empresas da cadeia de suprimentos que estão preparadas para ajudar quando ocorrem desastres naturais. O portal da internet da organização apresenta as necessidades relacionadas à cadeia de suprimentos das comunidades afetadas e as empresas com recursos e habilidades podem intervir para preencher essas necessidades. Indivíduos e empresas também podem doar para apoiar a causa em alanaid.org.

A ALAN também estará expondo na APICS 2017, que ocorrerá de 15 a 17 de outubro em San Antonio. Não deixe de visitar o Expo Hall para conhecer os representantes da ALAN e saber mais sobre como você pode ajudar a organização. Para se inscrever na conferência anual da APICS, visite apics.org/apics2017.