Skip To The Main Content

O grande investimento da GE: Fábricas digitais

ASCM CEO

Friday May 19, 2017


Como seria a fábrica digital do futuro? A GE está hoje trabalhando para construir uma versão dessa fábrica, investindo em tecnologia  digital para transformar suas fábricas, gerar novas rendas e aumentar os lucros, relatou Alwyn Scott,  da Reuters. A GE já gastou US$ 4 bilhões desenvolvendo produtos digitais, que vão de pequenos sensores em motores a jato até realidade aumentada e software capaz de processar grandes volumes de dados.

Como a GE é líder em muitas indústrias, seu experimento será um teste importante para a ideia de fábrica digital. "[GE] tem mais de quinhentas fábricas em todo o mundo que produzem motores a jato, usinas, scanners médicos CT e outros maiores, equipamentos sofisticados adaptáveis à tecnologia", escreveu Scott.

Fábricas digitalizadas são uma grande aposta para a GE e outros fabricantes. Em 2012, as empresas gastaram US$ 20 bilhões em fabricação digital, e a Accenture estima que o número será de mais de US$ 500 bilhões até 2020. A GE informa que o mercado de fabricação digital vai valer US$ 225 bilhões até 2020.

 Da mesma forma, enquanto a GE está construindo suas próprias fábricas inteligentes, ela está também vendendo-as. Chamada de "Fábrica Brilhante", os produtos da GE englobam sistemas digitais, fabricação avançada, impressão em 3D e produção enxuta.

Outro investimento digital para a GE é o Predix, seu sistema operacional industrial, com um custo de design de US$ 1 bilhão. Como parte dos esforços do Predix, a GE está investindo em empresas que constroem robôs, scanners óticos e realidade aumentada.

"O sistema Predix trabalha, em parte, criando modelos computadorizados, ou um "gêmeo digital" de uma máquina que mostra seu desempenho em tempo real, e em que momento as peças são utilizadas", escreveu Scott. "Isso pode eliminar falhas, afirma a GE, poupando tempo e dinheiro."

 Mais tecnologia significa que menos trabalhadores serão necessários nestas instalações, mas que estes trabalhadores vão precisar de um nível mais alto e habilidades digitais. "Vamos precisar de um trabalhador mais inteligente", explicou Jeff Immelt, diretor executivo da GE no artigo da Reuters.

Além dessas mudanças na força de trabalho e a pressão dos investidores para ver benefícios dos investimentos na fabricação digital, existem outros desafios. Os sistemas são complexos e com alto custo para se manterem. Ainda mais, já que dependem de uma rede para operar, eles podem ser hackeados.

O resultado, no entanto, é que as fábricas digitais têm o potencial de melhorar as operações das empresas. Para ilustrar, o artigo da Reuters descreve como uma fábrica da GE em Grove City, Pensilvânia, opera utilizando a nova tecnologia digital. Telas planas sobre estações de trabalho mostram quanto tempo os trabalhadores gastam em uma tarefa, e um alerta vermelho é mostrado quando uma tarefa está demorando demais. Executivos das cadeias de suprimentos e os trabalhadores da fábrica podem ter como referência as telas para monitorar as operações.

"Quando um maciço motor de locomotiva entra para um reparo, os trabalhadores verificam o gêmeo digital para saber quais peças precisam ser consertadas", escreveu Scott. "O sistema assegura que as peças de reposição estejam em estoque. Motores mais antigos são equipados com sensores para que eles possam suprir estes dados na próxima vez. O processo economiza trabalho eliminando o que é desnecessário."

A próxima era de produção enxuta

pode ser uma abordagem valiosa para qualquer um na cadeia de suprimentos. Considere sua definição no Dicionário APICS, 15ª edição: "É uma filosofia de produção que enfatiza a redução da quantidade de todos os recursos (inclusive tempo) utilizados nas várias atividades da empresa. Isso envolve identificar e eliminar atividades que não agregam valor em design, produção, gestão da cadeia de suprimentos e como lidar com os consumidores..."°

Como a fabricação embarca no que os especialistas chamam de Quarta Revolução Industrial, também conhecida como Indústria 4.0, será essencial para os profissionais das cadeias de suprimento se lembrar do básico, como uma produção enxuta, enquanto aprendem como operar e ter sucesso nesta nova era. Prepare-se e considere obter sua Certificação APICS em Produção e Gestão de Inventário (CPIM, Certified in Production and Inventory Management), que demonstra que você tem as habilidades para racionalizar operações estrategicamente e muito mais. Aprenda mais em apics.org/cpim



Live Web Chat